Camaçari: Estendido até 1º de julho, toque de recolher não funciona e casos triplicam após decreto - Jornal Camaçari - Pra quem quer mais!

domingo, 21 de junho de 2020

Camaçari: Estendido até 1º de julho, toque de recolher não funciona e casos triplicam após decreto

Foto: Jornal Camaçari

Coluna

Quebra-Queixo


Após 23 dias do decreto do toque de recolher, estabelecido pelo prefeito Antônio Elinaldo (DEM), os casos de coronavírus em Camaçari sofreram um aumento alarmante. 

No início do toque de recolher, 30 de maio, Camaçari possuía 247 casos diagnosticados de Covid-19. Após 23 dias, a cidade possui 789 casos confirmados, 3 vezes mais, a contar do primeiro caso no município, até o começo do decreto.

Para se ter uma ideia, nos últimos 3 dias, de sexta (19) até este domingo (21), foram 101 casos identificados, trazendo um tom de irrelevância na medida adotada pelo governo. Falta de fiscalização, ausência de barreiras sanitárias, a cidade vive um momento de maquiagem de trabalho, com muitas fotos e poucas ações tomadas.

A sensação de fragilidade nas instituições públicas, comandadas pelo prefeito Elinaldo, traz uma grande confusão na cabeça dos munícipes. Camaçari não passa de uma cidade com grande desorganização administrativa.

A Câmara Municipal não cumpre o seu papel. O presidente da casa, que provavelmente você que está lendo não lembra o nome, chama-se Jorge Curvelo (DEM). Este cumpre bem o seu papel de isolamento social, difícil de ser visto. E como quem não é visto não é lembrado, se finge de morto para se isentar das suas responsabilidades.

Apesar de muita desobediência por parte de muitos moradores da cidade, o governo não vem tomando medidas enérgicas, somente ações escritas sem a menor intenção de cumpri-las, apenas para cunho publicitário.

A deficiência da fiscalização desde o início dos decretos, trouxe um aumento alarmante nos casos, como se não houvesse diferença entre existir ou não, as ações públicas. 

Fato é que infelizmente precisa-se de pulsos firmes para conseguir os resultados. Se não há cumprimento, que aumente as fiscalizações, pois é mais que sabido que as metas só são alcançadas por meio de intensidade. Cinto de segurança é para manter a integridade do condutor, e mesmo assim é obrigatório, e mais que isso, existe instituições para fiscalizar o uso, mesmo sendo para benefício pessoal do individuo.

Sem ações verdadeiras do governo, sem serem as que vem apresentando por meio de meia duzia de fotos durante a semana, podemos passar por maus bocados.