quinta-feira, 5 de março de 2020

Polícia Federal desarticula grupo que traficava armas; mandados são cumpridos em Camaçari


A Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta quinta-feira (5), 15 mandados de busca e apreensão e quatro de prisão preventiva em quatro cidades da Bahia, durante a operação Gun Express, de combate ao tráfico internacional de armas de fogo.

De acordo com a polícia, foram expedidos 72 mandados em nove estados - 10 de prisão preventiva e 62 de busca e apreensão. A estimativa é de que o grupo remeteu e transportou, desde 2016, mais de 300 armas de fogo, investindo cerca de R$ 2 milhões na compra do armamento.



Na Bahia, foram cumpridos os mandados nas cidades de Salvador, Jacobina, no norte do estado, Camaçari e Lauro de Freitas, esses dois últimos municípios da região metropolitana de Salvador.

Confira abaixo os mandados cumpridos:
  • Salvador: 7 de busca e apreensão; 1 de prisão preventiva
  • Camaçari: 1 de busca e apreensão; 1 de prisão preventiva
  • Jacobina: 1 de busca e apreensão
  • Lauro de Freitas: 6 de busca e apreensão; 2 de prisão preventiva
  • Além da Bahia, a operação ocorre nos estados do Paraná, Rio Grande do Norte, São Paulo, Paraíba, Sergipe, Santa Catarina, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.
A Polícia Federal informou que a investigação que resultou na Operação Gun Express teve início em 2018, quando a Polícia Federal identificou que armas de fogo eram remetidas pelos Correios, escondidas dentro de equipamentos de treino para artes marciais, como aparadores de chute, luvas e caneleiras.

De acordo com a investigação, suspeitos do Paraná, Bahia e Rio Grande do Norte importavam, guardavam e transportavam armas e munições, que eram distribuídas para outros estados do país.

A polícia também encontrou armas sendo transportadas dentro de compartimentos de carros, como tanques de combustíveis, por exemplo.

A polícia informou que parte do pagamento das armas era feito por empresas de fachada da Bahia e Rio Grande do Norte para dar aparência lícita aos repasses financeiros feitos pelo sistema de transferências bancárias.


A PF informou que 28 pessoas devem ser indiciadas pelos crimes de tráfico internacional de armas de fogo, lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade ideológica.