Mulheres são presas após desligar aparelhos que mantinham irmão vivo na Bahia; polícia apura motivo religioso - Jornal Camaçari - Pra quem quer mais!

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Mulheres são presas após desligar aparelhos que mantinham irmão vivo na Bahia; polícia apura motivo religioso


Duas irmãs, identificadas como Zelita Pereira Neves, 32 anos, e Marliete Pereira Neves, 41, foram presas no último sábado (26/10) responsabilizadas pela morte do irmão delas, Almiro Pereira Neves, 43, no sudoeste da Bahia. As mulheres entraram no leito, do Hospital Regional de Guanambi (HRG), onde a vítima estava internada, e desligaram os aparelhos que o mantinham vivo.

As irmãs cometeram o crime na noite de sexta-feira (25/10), após um culto religioso realizado na casa delas. Segundo o titular 22ª Coordenadoria de Polícia Civil, Adir Pinheiro Júnior, as duas, na companhia de um pastor, teriam feito uma suposta oração para o irmão, que estava hospitalizado. Em seguida, elas se dirigiram para o HRG e, na porta da unidade, fizeram uma nova oração.

"Posteriormente, entraram no hospital, foram até o local onde o irmão estava internado e desligaram os aparelhos que o mantinham vivo", relatou o delegado, acrescentando que, enquanto uma delas desligava os aparelhos, a outra esmurrava o tórax dele e segurava sua cabeça.


Ainda de acordo com a Polícia Civil, uma pessoa que acompanhava outro paciente, no mesmo leito, presenciou a ação e saiu correndo em busca de ajuda na enfermaria, mas quando os profissionais entraram no quarto já encontraram Almiro sem vida e os aparelhos jogados no chão. Testemunhas disseram que elas proferiam umas palavras que não eram inteligíveis, como se estivesse orando.

"Ambas foram conduzidas até a delegacia e foram autuadas, em flagrante, por homicídio doloso, e homicídio qualificado, quando não possibilita que a vítima se defenda. Essa prisão foi comunicada à Justiça que homologou e ratificou a prisão".

O delegado informou que o trabalho da polícia, agora, segue no sentido de identificar e localizar o pastor que participou com as irmãs da oração realizada momentos antes do crime. "Talvez tenha sido esse pastor que induziu as irmãs a irem ao hospital desligar os aparelhos", disse.